Os impactos da transformação digital na sociedade modificaram completamente as relações de consumo e colocaram os clientes no centro do negócio. Com isso, empresas globais tiveram de adaptar suas estratégias de marketing para conseguir aumentar sua audiência, criar valor para seus públicos e, enfim, engajá-los com os ideais das marcas.

Ao contrário das fases anteriores à era digital, hoje, o consumidor é bem informado, determina tendências e sua opinião reflete diretamente no negócio. Nesse sentido, as empresas globais de maior destaque investem em estratégias online e offline com o intuito de conhecer detalhadamente seu público, de forma a fortalecer sua marca e fidelizar os clientes.

Se você está procurando inspiração para elaborar uma estratégia de marketing arrojada e expandir o alcance de seus negócios, confira neste artigo 5 exemplos de estratégias utilizadas por algumas das maiores companhias do mundo!

1. Uso de marketing digital e mídias sociais

Investir no meio digital é a maior aposta para alavancar os negócios da atualidade. O marketing digital compreende uma série de estratégias que utilizam exclusivamente canais online, com o intuito de expor uma marca e conquistar cada vez mais consumidores em potencial (leads) e dirigi-los à conversão.

De acordo com o portal alemão de estatísticas Statista, as 10 técnicas de marketing digital mais efetivas são:

  1. Marketing de conteúdo;

  2. Inteligência artificial e machine learning (aprendizado de máquina);

  3. Big data;

  4. Mídias sociais;

  5. Automação de marketing;

  6. Mobile marketing (marketing realizado por meio de celulares e dispositivos móveis);

  7. Otimização de conversão (CRO), ou melhoria na performance de sites;

  8. Otimização para mecanismos de busca (SEO), ou melhoria no posicionamento orgânico em ferramentas de busca;

  9. Marketing de comunidade;

  10. Internet das Coisas (IoT).

A principal vantagem do marketing digital é que sua marca consegue falar diretamente com seu público de interesse, conhecer e mensurar seus hábitos, necessidades e desejos. Como toda movimentação feita no meio digital pode ser registrada, é possível obter dados concretos de comportamento e determinar seu consumidor ideal.

Muitas das empresas já nasceram digitais e estão se tornando gigantes. Esse é o caso do AirBnb, que possibilita o compartilhamento de acomodações de todo tipo ao redor do mundo. O site e aplicativo revolucionou o jeito de se procurar por hospedagens, a ponto de enfurecer o setor hoteleiro, que tenta barrar seu uso em inúmeras cidades.

A estratégia de marketing do AirBnB visa atrair viajantes e anfitriões para a plataforma. Seu marketing digital depende principalmente de imagens e vídeos gerados por usuários no Facebook, Instagram e Twitter. Sua campanha no Instagram combina humor com imagens atraentes de diferentes locais de viagem ao redor do mundo, tornando-a mais do que apenas um serviço: trata-se de um fórum de viagens também.

2. Efeito de rede

O chamado efeito de rede é um dos maiores potencializadores de valor para um bem ou serviço. Em outras palavras, os benefícios desse produto aumentam à medida que ele é utilizado por um número maior de pessoas. Um exemplo claro é o Facebook. Se todos os seus amigos estão utilizando a rede social, há grandes chances de você também aderir.

Uma característica das empresas globais que apostam no efeito de rede é que elas começaram com mercados pequenos. O próprio Facebook iniciou as atividades na Universidade de Harvard (Estados Unidos).

Outro exemplo é brasileiro: o sistema de cartões de crédito e contas bancárias Nubank. Por meio do sistema de convites a amigos, as adesões aumentaram substancialmente e a marca tornou-se uma gigante avaliada em mais de US$ 1 bilhão.

3. Preservação da identidade da marca com foco em branding

Empresas globais detêm o monopólio de suas marcas. Para tanto, suas estratégias de marketing são desenvolvidas para que a gestão da marca (branding) trabalhe fortemente seu posicionamento e o que ela representa no mercado.

Em outras palavras, o branding não significa o que você pensa sobre sua marca, mas o que você deseja que seus consumidores pensem sobre ela. Algumas marcas investem tanto na preservação da identidade de sua marca, que ela “entra” na vida das pessoas a ponto de se confundir com o próprio produto. É o caso da Bombril, Gillette, Danone e, mais recentemente, a Google.

Mas, talvez o melhor exemplo seja a Coca-Cola, que investe em um marketing global, engajado inclusive com responsabilidade social nos lugares onde atua. Isso acontece porque a empresa trabalha incansavelmente para unificar seu sistema de negócio, marca e consumidores, a fim de ser onipresente. Não é à toa que a companhia figura no ranking das empresas mais lembradas do mundo e tem um portfólio de mais de 500 marcas.

4. Marketing de valor

Não confunda valor com preço. Nas estratégias de marketing de valor, o objetivo é que o consumidor adquira valores simbólicos e afetivos a partir da experiência de compra. Um bom exemplo disso é a Apple, cujos produtos possuem valor elevado e, mesmo assim, a empresa é líder de vendas.

A empresa pauta o desenvolvimento de seus produtos por inovação e criatividade ao criar soluções capazes de gerar experiências excepcionais. Tanto que é comum os usuários de seus smartphones substituirem o substantivo “celular” pela marca “iPhone”.

A Apple é convicta de que seus produtos podem realmente mudar a vida das pessoas, e essa premissa orienta suas estratégias de marketing. Ao criar esses valores, conquista mais e mais clientes que se desdobram para comprar um dos sofisticados (e caros) produtos.

5. Uso de chatbots

Na esteira da inteligência artificial, os chatbots estão ajudando muitas empresas a resolverem problemas de atendimento e fornecerem respostas efetivas para os consumidores. Em resumo, o chatbot é um software capaz de simular um ser humano na interação com uma pessoa. Está sendo especialmente usado em atendimentos online, que dão a impressão de que há um funcionário da empresa 24 horas para receber suas dúvidas.

Para que essa conversação se torne o mais real possível, o software desenvolve uma conversação amigável com o cliente e fornece respostas às dúvidas a partir da análise de um banco de dados. Além disso, o chatbot aprende a partir das interações com o usuário e fornece respostas cada vez mais específicas.

O boom dos chatbots se deu a partir de 2016, e hoje grandes corporações no Brasil e no mundo estão utilizando o recurso. Algumas delas criam até mesmo avatares que dão a sensação de estar falando com o próprio “ombudsman” da organização. Veja alguns exemplos:

  • Casas Bahia;

  • Magazine Luiza;

  • Rock in Rio;

  • Uber;

  • Facebook;

  • Subway;

  • Ebay;

  • Pizza Hut;

  • American Express.

Você pôde observar que todas as estratégias de marketing citadas neste artigo são pautadas pela inovação e tecnologia. Como dissemos no início, o consumidor está bem informado. Isso torna o processo de fidelização muito mais complexo, já que motivos banais levam à desistência de compra ou recusa da marca. Por isso, todas essas medidas visam à aproximação com o cliente ideal, como forma de demonstrar que a empresa se importa com suas necessidades e desejos.

Gostou deste artigo? Para receber notícias exclusivas sobre o mundo dos negócios assine já nossa newsletter!

 

Escreva um comentário

Share This