Atualmente, todo administrador já deve ter passado pela expressão “transformação digital”, mas o que realmente esse processo significa? Qual é o impacto prático dessa mudança na gestão das empresas? A resposta é relativamente simples: a transformação digital é um conjunto de ações que visa personalizar o atendimento ao usuário, melhorar a eficiência dos processos e ampliar o acesso ao mercado.

O mundo digital é uma fonte de diversas soluções empresariais e a web, especialmente, é um grande repositório vivo de informações, tornando essa transformação possível. Com as recentes tecnologias, você pode obter grandes volumes de dados sobre os hábitos e preferências dos leads, prospects e atuais clientes. Dessa forma, é possível criar estratégias de marketing bem segmentadas, bem como criar novos produtos que atendam as expectativas do seu público.

Além desses benefícios, a transformação digital é uma verdadeira revolução sobre o papel da tecnologia nos processos da empresa. Com ferramentas cada vez mais automatizadas, é possível transferir grande parte das tarefas maçantes e repetitivas de um ambiente administrativo para os softwares. Assim, seus colaboradores assumem, cada vez mais, um papel ativo dentro da empresa, ao contribuir com ideias e inovações — em vez de ficarem em exaustivas tarefas de lançamento de dados em planilhas.

Como é o processo de transformação digital?

Para entender a transformação digital, é preciso, antes, compreender que as inovações tecnológicas estão chegando a todo o momento — e todo negócio deve estar preparado para utilizá-las e melhorar seus resultados. Dessa forma, o mundo digital não assume mais o papel de auxiliar e torna-se uma verdadeira vantagem competitiva, pois muitas empresas implementam a tecnologia com a finalidade de derrotar seus competidores.

Por esse motivo, a transformação digital é chamada de disrupção — termo amplamente utilizado, mas raramente definido. Muitas vezes, o termo “disrupção” é usado indevidamente para definir qualquer produto relacionado à transformação digital — e também confundido com a tecnologia disruptiva. Essa última expressão é usada para as novas tecnologias que desafiam a posição de uma ferramenta antiga amplamente utilizada e que, eventualmente, se tornam líder de mercado.

Já a nova tecnologia digital gera novos modelos de negócios e desafia os produtos e serviços existentes. Essa alteração é definida como disrupção digital. As mídias sociais, por exemplo, são uma disrupção digital para o setor de mídia. Devido às campanhas de marketing em redes sociais, as redes de TV precisaram ajustar seus preços de propaganda para competir com essa nova maneira de fazer publicidade.

Embora a disrupção digital seja um desafio para algumas áreas, muitas vezes é uma oportunidade para outros setores. Se olharmos para a relação das redes sociais com o setor de mídia, essas novas ferramentas prejudicaram gravemente o outbound marketing — o marketing tradicional. Por outro lado, as novas mídias oferecem uma oportunidade incrível para pequenas e médias empresas. Agora, os empreendedores podem se concentrar em áreas geográficas específicas — e em nichos de mercado — com gastos relativamente pequenos. Eles também podem entender as necessidades e os problemas dos seus clientes por meio de seus canais e perfis sociais — em vez de precisar investir em pesquisas caras e não tão específicas.

Os consumidores querem ser entendidos e as empresas precisam se concentrar na compreensão dos perfis consumidores e nos pontos de contato com o cliente. A mídia social fornece o meio de construir comunidades online e fidelizar usuários. Para isso, é imperativo aproveitar essa transformação digital — e com orçamentos não muito vultosos, é possível alcançar o público desejado.

Quais os pilares da transformação digital?

Primeiramente, devemos enfatizar que a transformação digital transcende o contexto das empresas de tecnologia, sendo, portanto, uma abordagem que deve atingir todos os setores. Para tanto, ela se baseia em três pilares principais:

Experiência do cliente

A comunicação digital permitiu que os mercados se ampliassem enormemente. Hoje em dia, uma empresa local pode ter de competir com uma empresa estrangeira que vende os mesmos produtos na internet. Assim, o consumidor tem mais opções e se tornou mais empoderado, pois ele sabe que o poder da decisão está nas próprias mãos. Nesse sentido, a experiência do cliente se tornou fundamental para atrai-lo e fidelizá-lo.

Para alcançar esses objetivos, é necessário tomar as seguintes ações:

  • segmentar o público: as ferramentas de analytics tornam possível segmentar o público utilizando os mais diversos critérios, como idade, localização, gênero etc. Desse modo, a abordagem dos leads pode ser personalizada;
  • monitoramento das redes sociais: as redes sociais são uma fonte importante de feedback dos seus clientes. Se você deseja saber se a sua estratégia está funcionando, basta ver as reações do público nas redes sociais. Atualmente, tudo é compartilhado;
  • marketing de precisão: a fidelização de clientes não é uma tarefa fácil, mas com as ferramentas de transformação digital é mais fácil entender as inclinações de seus clientes e descobrir o que realmente desejam;
  • processo de vendas simplificado: atualmente, o cliente não quer um processo de vendas muito complicado, pois ele demanda agilidade. Por isso, é interessante implementar um processo de compra com um clique, por exemplo, em vez de diversos direcionamentos para o carrinho de compras;
  • atendimento ao cliente: há muitas tecnologias utilizadas para otimizar o atendimento, como os chatbots — desde os mais simples, com respostas pré-configuradas, até os mais complexos, com algoritmos de Inteligência Artificial — e os canais de autoatendimento, além do foco no Sucesso do Cliente.

Processos operacionais

Até pouco tempo, os processos das empresas eram extremamente burocráticos e pouco eficientes. A falta de integração entre os setores era muito marcante e um mesmo dado deveria passar por diversos setores manualmente. Atualmente, a integração das ferramentas digitais permite que a empresa tenha um só banco de dados que integre as informações em todas as plataformas utilizadas pela companhia. Por isso, tornou-se imprescindível a implementação dos seguintes pontos:

  • comunicação mais rápida;
  • integração de setores;
  • transparência organizacional;
  • decisões baseadas em dados.

Modelos de negócio

Finalmente, o ponto mais disruptivo da transformação digital: o surgimento de diversos modelos de negócio nunca antes imaginados. A rede mundial de computadores se tornou um ambiente de muitas oportunidades — e isso impacta bastante o mercado. Tome como exemplo o Uber. Há 5 anos, os táxis tinham o controle completo do transporte urbano com automóveis de passeio. De repente, com um modelo de transporte em carros particulares em um aplicativo, o Uber conquistou grande parte da fatia de mercado dos táxis e abriu um novo segmento no mercado, que conta com diversas empresas atualmente.

Assim, a transformação digital pode contribuir para:

  • ampliar produtos e serviços: uma loja física pode criar um e-commerce para expandir o mercado;
  • transitar do físico para o digital: da mesma forma que você pode manter tanto o ponto físico quanto o e-commerce, também é possível transferir o negócio completamente para o digital;
  • criar produtos digitais: foi assim que empresas como o Nubank revolucionaram o mundo. Essa provedora de cartões de crédito trabalha apenas no mundo digital, oferecendo crédito simples e processos pouco burocráticos;
  • serviços compartilhados: hoje em dia há aplicativos para caronas, aluguel de quartos e casas e de cupons e promoções. O consumidor está se acostumando com produtos e serviços com um custo-benefício mais tentador. Basta conferir o sucesso de aplicativos como o Airbnb.

Como administrador, você deve entender esses processos para saber como alocar os recursos da sua empresa de forma estratégica e eficiente. Afinal, sem compreender a transformação digital a fundo, você pode continuar investindo apenas em um tipo de marketing que não tem muito alcance ou criar um produto/serviço que não tem mais demanda no mercado etc. Por isso, além do que dissemos aqui, é essencial buscar conhecer mais esse novo processo disruptivo e saber como transformá-lo em uma vantagem competitiva.

Quer se qualificar cada vez mais para o mercado de trabalho? Então, confira as 10 habilidades profissionais exigidas pelas empresas que já abraçaram a transformação digital!

Escreva um comentário

Share This