Especialista ou generalista? Enquanto algumas pessoas buscam constantemente fazer parte do primeiro grupo, outras fazem questão de se enquadrar no segundo. Mas, afinal, você consegue dizer em qual dos dois lados se encaixa?

Neste artigo, veremos quais são as características de cada perfil, como eles trabalham e quais são suas vantagens e desvantagens. Além disso, você descobrirá como desenvolver ambos e verá em quais momentos é mais vantajoso aplicar o perfil especialista ou generalista.

Ao terminar a leitura, sua clareza sobre o tema será maior do que antes, podendo gerar novos direcionamentos profissionais. Portanto, continue acompanhando!

O que caracteriza o perfil especialista?

O profissional especialista se caracteriza por ter um alto nível de conhecimento em uma única área. Por exemplo, se você trabalha no setor de marketing, é formado justamente nesse ramo e possui cursos e especializações sobre o assunto, a tendência é que se torne um especialista em marketing. É a chamada formação vertical, na qual a pessoa se aprofunda cada vez mais em um determinado tema.

Os especialistas tendem a ser muito buscados em áreas que pedem um grau elevado de preparação. Um exemplo é o segmento da saúde, no qual há uma procura constante por médicos especializados. Hoje, a terceirização por especialização também é uma tendência, já que muitas empresas buscam profissionais para executar tarefas que elas não dominam.

Um ponto de dificuldade na carreira dos especialistas é a rapidez com que seus conhecimentos ficam defasados. Atualmente, com as inovações tecnológicas, tudo muda rápido demais. Assim, alguém que há pouco tempo era extremamente especializado pode já não ser referência no assunto. Por isso, para ser um especialista, uma das habilidades fundamentais é a capacidade de aprendizado.

Como o perfil especialista trabalha?

O especialista trabalha de forma técnica, resolvendo problemas específicos por meio de suas habilidades. Por exemplo, em uma indústria, o especialista é quem tem conhecimentos e capacidades para operar máquinas específicas ou realizar um tipo único de acabamento.

Já em serviços, quem é especializado pode prestar consultoria ou atendimentos para atender necessidades e resolver problemas pontuais. Uma assistência de computadores, digamos, exige que o técnico tenha conhecimentos específicos sobre essa função.

E o perfil generalista?

O profissional generalista é aquele que tem conhecimentos sobre diversos aspectos de um negócio ou mercado, como: gestão, informática, finanças, recursos humanos, marketing, assim por diante. Muitas vezes é alguém que passou por diversas experiências de trabalho distintas, aprendendo um pouco sobre cada assunto. É a chamada formação horizontal.

Generalistas costumam ter uma visão sistêmica dos negócios, compreendendo como as diferentes áreas se relacionam e de que maneira os departamentos colaboram uns com os outros. Para muitos gestores, essa capacidade de enxergar o todo é uma grande qualidade. Inclusive, essa é uma característica que faz com que os generalistas assumam funções de liderança mais rapidamente, já que os cargos de gestão tendem a exigir justamente uma diversidade de conhecimentos.

Por outro lado, o risco de ser um generalista é acabar não se destacando. Em termos de marketing pessoal, por exemplo, o especialista tende a ser mais lembrado. Por isso, é fundamental que o generalista saiba promover suas habilidades de gestão e solução de problemas, independentemente da área em que estiver atuando.

Como o perfil generalista trabalha?

O profissional generalista costuma lidar com tarefas mais ligadas à gestão de pessoas e processos. Voltando ao exemplo da indústria: enquanto o especialista é craque em operar um determinado tipo de máquina, o generalista pode organizar os pedidos, gerenciando as expectativas dos clientes e se certificando de que os prazos de entrega serão cumpridos.

Em uma assistência técnica, o generalista pode ser o gerente ou até mesmo o dono do negócio. Ele não precisa necessariamente entender de tecnologia, já que poderá contratar e fazer a gestão de profissionais especializados.

Quais são as vantagens e desvantagens de cada perfil?

A verdade é que ambos os perfis podem ser extremamente bem-sucedidos. Tudo depende da aptidão de cada profissional e da maneira que ele prefere trabalhar. Dito isso, vamos analisar as vantagens e desvantagens de cada perfil: especialista ou generalista.

Vantagens do perfil especialista

As principais vantagens do perfil especialista são:

  • alta demanda e valorização em áreas que exigem conhecimentos técnicos, como saúde, engenharia e TI;

  • possibilidade de treinar ou ensinar colaboradores e colegas;

  • maior chance de ser reconhecido como destaque em sua área de especialização.

Desvantagens do perfil especialista

Já entre as desvantagens do perfil especialista estão:

  • rápida defasagem do conhecimento, o que exige estudo e atualização constante;

  • menor tendência a ocupar cargos de gestão.

Vantagens do perfil generalista

Alguns dos principais benefícios do perfil generalista incluem:

  • maior demanda e funções no mercado de trabalho;

  • maiores chances de ocupar cargos de gestão;

  • boas possibilidades de atuar nas áreas de administração, gestão e negócios.

Desvantagens do perfil generalista

Entre as desvantagens do perfil generalista estão:

  • maior dificuldade de ser visto como referência em sua área;

  • por não terem um único foco, é comum que generalistas passem por períodos de incerteza em relação à vocação.

Qual perfil adotar em cada momento da carreira?

Ao iniciar a carreira, por mais que uma pessoa se esforce para buscar conhecimentos específicos, ela dificilmente se tornará especialista em um curto período de tempo. A famosa regra das 10.000 horas — apresentada pela primeira vez no livro Outliers, de Malcolm Gladwell — diz o seguinte: para se tornar especialista em algo, um profissional costuma investir cerca de 10.000 horas de esforço (ou 8 horas por dia durante 4 anos).

Portanto, aproveitar oportunidades de job rotation, estágios e passagens por diferentes áreas de atuação pode render bons frutos em um primeiro momento. Ou seja, uma abordagem generalista no início da carreira pode proporcionar novas chances, aprendizados e autoconhecimento.

O candidato terá mais chances de investigar o que gosta para, posteriormente, se especializar. Nos anos seguintes, com o acúmulo de experiência em uma área que desperte o seu interesse, a tendência é tornar-se cada vez mais especializado.

Após isso, é interessante voltar a investir em habilidades de gestão, visão sistêmica e relacionamento interpessoal, isto é, no perfil generalista, focando em ocupar cargos mais altos. Isso fará da pessoa um profissional completo, capaz de tomar decisões corretas, conduzir equipes e, ainda, processar conhecimentos específicos com agilidade e eficiência.

De todo modo, qualquer caminho proposto deve ser considerado com ressalvas, já que tudo vai depender dos objetivos que o indivíduo possui. Há quem tenha prazer em desenvolver atividades mais generalistas desde sempre, assim como existem aqueles que preferem focar seus esforços em se especializar cada vez mais, abrindo mão de ocupar cargos voltados à gestão de pessoas.

Enfim, na dúvida entre ser especialista ou generalista, não existe uma resposta padrão. Cada perfil é adequado para determinadas situações, podendo gerar excelentes resultados e receber ótimas remunerações. Ao mesmo tempo, vale lembrar que um profissional não precisa ser 100% generalista ou especialista. Ao mesclar as duas possibilidades, a tendência é tornar-se um candidato ainda mais completo.

Aproveite para conferir também como a FGV auxilia o seu crescimento profissional e entenda como se qualificar de maneira estratégica!

 

Escreva um comentário

Share This