Estabilidade financeira, reconhecimento profissional e social, qualidade de vida, realização de sonhos — essas são algumas das expectativas de quem deseja ascender a um cargo de liderança. Para alcançá-lo, os candidatos precisam demonstrar que possuem determinadas características e competências. Você sabe quais são elas? Então, acompanhe o nosso post e descubra como ser um bom gestor!

A carência de bons gestores no mercado

Maior que o sonho dos profissionais de se tornarem gestores nas organizações é a carência das empresas em pessoal qualificado. Grande parte dos executivos de alta performance do país afirmam que não há líderes em quantidade ou qualidade o suficiente para suprir a demanda do mercado.

Os resultados são desastrosos: falta de executivos capacitados para executar as estratégias das empresas, limitações que impedem o crescimento de muitas companhias, impossibilidade de descentralizar as operações e de expandir a atuação em novos territórios, entre outros problemas.

Mas será que existe uma boa notícia por trás dessa constatação? Com certeza! Isso também significa que há postos de trabalho disponíveis. Porém, se você deseja ocupar um cargo de destaque, é necessário mostrar que você não é mais um gestor, e sim “o” gestor. Quer saber como se tornar um gestor especializado e apto a disputar as melhores vagas em grandes companhias? Então, continue a leitura!

Entenda o que é um gestor orientado a resultados

As grandes organizações não têm tempo nem recursos a perder e precisam cada vez mais de gestores focados na entrega de resultados. O que importa, para essas empresas, não é simplesmente a quantidade de esforço empregado ou os processos (horas trabalhadas, atividades realizadas), mas o alcance efetivo das metas. Ou seja, o que se obteve com esse empenho.

Aliás, o que vale mesmo é conseguir cada vez mais com menos recursos — tempo, dinheiro, pessoas — levando a sério o conceito de produtividade. Para isso, é fundamental otimizar o desempenho de cada colaborador, das equipes e da companhia como um todo.

Nesse contexto, um dos principais papéis do gestor é conduzir a equipe de forma consciente. Cada colaborador deve entender a importância de suas atividades para a geração do produto ou serviço oferecido pela empresa. Mais do que isso, o time precisa ter consciência da importância de sua atuação para o cumprimento da estratégia da companhia.

Dessa forma, a equipe se sente desafiada a evoluir no desempenho de seu trabalho, a empregar seus esforços de forma produtiva e alcançar os resultados desejados pela companhia e pela sociedade como um todo.

Mas, quais são as características de uma gestão voltada para resultados? Confira a seguir:

Objetividade

Não é possível alcançar resultados baseando as ações apenas na própria intuição ou seguindo tendências que surgem no mercado. O bom gestor precisa ter a capacidade de analisar fatos (e números) e avaliar os cenários de forma objetiva.

Também é fundamental que suas decisões sejam baseadas em indicadores consistentes e em relatórios bem elaborados — e não em percepções vagas ou informações de terceiros, mesmo que sejam pessoas da mais absoluta confiança.

Lembre-se de que a visão pessoal — a sua e a de outros colaboradores e gestores — pode carregar paradigmas capazes de criar uma interpretação equivocada. Por isso, é fundamental que o líder tenha uma visão baseada em indicadores claros e objetivos.

Capacidade de avaliação

Hoje, o mercado oferece inúmeras oportunidades de investimento e modernização. Surgem novos métodos a todo momento, além de todo o aparato tecnológico que parece superar o inimaginável a cada dia.

Diante de tantas possibilidades, um gestor orientado a resultados analisa cada uma dessas alternativas e investe os recursos e os esforços de forma inteligente e responsável. Ele busca as tecnologias e os métodos capazes de agregar valor ao negócio, e não apenas para seguir modismos.

Visão de futuro

Independentemente do momento vivido pela companhia — seja bom ou ruim —, o gestor de sucesso não pode prender sua visão ao presente. Ele não deve perder tempo lamentando o desempenho de ontem ou hoje, caso ele não tenha sido positivo. É preciso analisar a situação, corrigir a rota e buscar os melhores resultados em curto e médio prazos.

Mesmo quando a empresa vai bem, o gestor não pode manter o foco apenas no presente. É preciso lembrar que o mercado está em constante evolução. Por isso, é fundamental aperfeiçoar cada vez mais os produtos e serviços para se colocar à frente da concorrência e não perder espaço no mercado.

Aplique as qualidades de um bom líder

Toda essa responsabilidade está nas mãos de um profissional — o gestor. Por isso, ele precisa ter as competências e as habilidades necessárias para engajar a sua equipe nessa visão. Quer conhecer algumas delas? Confira:

Planejamento estratégico

Trata-se da capacidade de analisar o cenário — externo e interno — e elaborar um plano de ação eficaz para garantir que a companhia atinja as metas estipuladas. Isso envolve estudar e conhecer o mercado a fundo, incluindo a concorrência e os recursos disponíveis e necessários para alcançar os objetivos.

A partir dessas informações, o gestor precisa desenhar um plano de ação para suprir as carências e desenvolver iniciativas para, progressivamente, obter os resultados esperados.

Boa comunicação

Um bom líder é aquele que comunica as expectativas da empresa de forma clara, simples e compreensível. O gestor deve deixar claro não só as ações e as atividades inerentes à função de cada trabalhador ou equipe, mas, principalmente, o nível de performance que a companhia espera que eles obtenham.

Contratação e delegação inteligente

As equipes mais eficientes são aquelas formadas por profissionais de perfis distintos, que possuem competências complementares.

Por isso, na contratação, o gestor deve conhecer as necessidades do grupo, identificar aspectos que devem ser melhorados e selecionar candidatos capazes de suprir essa carência por meio de suas habilidades e conhecimentos técnicos.

Depois, no dia a dia, é preciso conhecer as competências pelas quais cada colaborador se destaca. Isso vai ajudá-lo a delegar as responsabilidades de acordo com o potencial de cada funcionário, conseguindo o melhor nível de desempenho para a companhia.

Quando isso acontece, todos saem ganhando: a empresa, porque o funcionário realizou o que sabe fazer melhor; o próprio colaborador, que sente que as suas habilidades foram valorizadas; a equipe, pois garantiu uma performance melhor, e o próprio gestor, que solidifica sua reputação como líder.

Acompanhamento do trabalho

No entanto, delegar não é abandonar. É importante que o gestor acompanhe cada etapa do processo por meio de reuniões individuais e coletivas — tanto de avaliação quanto de orientação. Um bom líder deve se colocar à disposição para suprir a equipe com diretriz e suporte.

O acompanhamento próximo permite a detecção de problemas ainda em um estágio precoce. Isso facilita a intervenção e a correção imediatas, garantindo o sucesso do projeto e da equipe.

Também é fundamental que, tanto ao longo de um projeto como em seu encerramento, os colaboradores tenham algum tipo de feedback. É preciso elencar os aspectos positivos, os pontos em que houve alguma falha e, principalmente, quais seriam as melhores alternativas para evitá-las. Assim, cada projeto é uma oportunidade de crescimento e de aprendizagem para os colaboradores, aprimorando a performance do grupo.

Desenvolvimento da equipe

Formar um time de alta performance é um grande desafio. Ele envolve não só a contratação das pessoas corretas, mas o desenvolvimento constante dos recursos humanos. Por isso, o gestor de sucesso é aquele que procura desenvolver o grupo continuamente.

Assim, é necessário realizar a análise do perfil de cada colaborador, além da identificação dos aspectos que podem ser melhorados e das ações necessárias para esse aperfeiçoamento. Isso pode ser feito por meio de treinamentos e formação continuada, que devem ser incentivados e possibilitados pela companhia.

É preciso, ainda, que o próprio dia a dia seja uma fonte de aprendizado e, para isso, o gestor deve atuar como um verdadeiro mentor. Ele pode acompanhar os projetos e orientar o grupo de tal forma que o trabalho seja uma oportunidade de evolução profissional constante.

Orientação para resultados

Em uma equipe de trabalho, cada profissional possui seus próprios interesses pessoais e de carreira. No entanto, o gestor precisa deixar claro que, ao desempenhar as atividades, é preciso estar alinhado aos objetivos da companhia.

Os conflitos pessoais — ou mesmo de interesses — precisam ser eliminados, garantindo que a dedicação dos colaboradores esteja 100% focada na concretização das estratégias da organização e nos resultados que ela deseja alcançar.

Crie novos hábitos

Mas o que diferencia um líder de sucesso de um gestor mediano? Qual é a grande diferença entre eles? Vamos tentar desvendar alguns dos hábitos e atitudes que eles possuem, e quais favorecem a alta performance. Acompanhe!

1. Grandes gestores vão além do feeling

Por muito tempo, vimos empreendedores que começaram um negócio baseado em uma paixão ou em uma necessidade, mas sem muito conhecimento técnico. Eles seguiram, quase que intuitivamente, por tentativa e erro, estabelecendo a empresa aos poucos, a cada passo.

Embora não possamos negar que alguns chegaram a construir impérios, o mundo dos negócios hoje é completamente diferente. A competição é acirrada, envolvendo até concorrentes globais.

Por isso, não é mais possível pensar em sucesso com uma gestão empresarial baseada no feeling ou na intuição. Isso deve ser substituído pelo verdadeiro know-how e pela avaliação constante do mercado e da própria organização.

É preciso tomar decisões embasadas por dados internos e externos. Por isso, conhecer os indicadores de desempenho (KPIs) para cada área é fundamental para não fazer uma gerência no escuro. A busca constante de conhecimento é um imperativo nos dias atuais.

2. Gestores de sucesso valorizam habilidades diferentes

Nem todos na empresa serão líderes — e não há lugar no topo para todos. Porém, isso não significa que os colaboradores do nível gerencial ou operacional não tenham um papel importantíssimo para a organização.

Por esse motivo, as empresas têm criado dispositivos para corrigir distorções. Eles valorizam os profissionais-chave que impulsionam a produtividade, o desenvolvimento e a inovação dentro da companhia.

Um exemplo é o novo modelo de carreira em Y. Ele garante que excelentes profissionais da área técnica tenham o mesmo status e valorização financeira como aqueles que escolheram uma linha gerencial.

Portanto, o gestor qualificado entende que um time campeão é formado por players que desempenham diversas funções. Apesar das diversas formações e linhas de atuação, eles devem ser igualmente reconhecidos por sua importância para a companhia.

3. Grandes gestores tornam o trabalho mensurável

A realidade do mercado não é nada romântica. Por isso, é preciso se lembrar de que alguém está pagando para que você e sua equipe entreguem algo esperado pela organização. Aquelas práticas que já mencionamos — desenvolvimento da equipe, comunicação e objetividade — precisam ser voltadas a um objetivo.

Isso significa que o gestor deve conduzir o grupo de tal forma que o resultado de suas ações seja mensurável. A performance deve ser traduzida em uma relação favorável, que demonstra redução na utilização de recursos e a maximização dos lucros da empresa.

4. Líderes de sucesso assumem riscos

Sem ousadia e inovação, a empresa está fadada a perder espaço para a concorrência. Para fazer isso com responsabilidade, o gestor deve estar realmente antenado no que acontece no mercado, acompanhar as tendências e analisar as necessidades e desejos de seu público-alvo.

Ele precisa pensar como um empreendedor e arriscar-se. Hoje, no mundo dos negócios, o maior perigo é justamente o de não assumir nenhum risco, pois isso indica que a empresa está parada no tempo, tornando-se obsoleta e incapaz de manter ou conquistar um novo espaço.

Por que você não deve parar

Até aqui, você viu o que o novo mercado de trabalho espera de um gestor competente, focado em resultados. Se a sua expectativa é de um dia ocupar um cargo de liderança, agora é o momento de se perguntar: o que fazer para estar preparado diante de uma oportunidade?

Acredite: um cargo assim não cai nas mãos de quem não está em busca desse desafio, e isso não significa apenas desejar e esperar. É preciso correr atrás, se preparar, tomar a iniciativa e ter um planejamento bem definido para chegar lá.

Então, que tal aproveitar este post para fazer uma espécie de checklist e traçar o seu plano de desenvolvimento individual? Esse é o instrumento perfeito para transformar o seu sonho em planejamento — o primeiro passo para torná-lo uma realidade.

Defina seu objetivo profissional

Onde você quer chegar? Quer se tornar um gestor de sucesso em uma grande companhia? Quer atuar como executivo em uma organização reconhecida? Ou deseja se preparar para ter seu próprio empreendimento e se destacar no mercado?

Responder a essas perguntas é fundamental para traçar o seu plano. Desta forma, será possível identificar as ações necessárias para alcançar o seu alvo sem perder tempo ou recursos com iniciativas desnecessárias.

Compreenda as exigências para atingir seus objetivos

Faça um levantamento minucioso do que o mercado de trabalho exige de quem alcança esse alvo: formação, conjunto de conhecimentos, experiência profissional, competências indispensáveis, perfil comportamental, entre outros.

Com base nessas exigências, você estabelecerá um currículo ideal que pretende alcançar. Ele servirá como parâmetro para orientar suas ações até se tornar preparado para atingir o objetivo.

Planeje uma trajetória

Com base no levantamento da experiência profissional exigido pelo mercado — e na trajetória de líderes e gestores conhecidos —, trace o seu próprio plano. Analise o cenário das empresas e defina onde você pode começar e qual é cada passo necessário para chegar onde quer.

A empresa em que você está hoje oferece o tipo de cargo que você deseja? É possível ter uma ascensão profissional e a carreira dos seus sonhos nessa companhia? Então, descubra quais são os critérios e políticas de progressão adotados e comece a se preparar para ser promovido no trabalho.

Porém, nem sempre a empresa oferece esse tipo de oportunidade. Algumas têm limitações que impedem a ascensão profissional dos colaboradores, como porte insuficiente ou a prevalência de membros da família na diretoria.

Neste caso, comece a pesquisar o que é necessário para conseguir uma vaga em empresas que apresentam o tipo de estrutura propícia ao crescimento. Prepare-se e fique de olho nas oportunidades oferecidas.

Analise objetivamente as suas condições atuais

Até agora, você só analisou o quadro geral. Este é o momento de olhar para si mesmo. O primeiro passo para se tornar um gestor qualificado e um líder de sucesso é avaliar suas condições profissionais no momento.

É bem provável que você tenha ótimas habilidades, mas o que tem feito para desenvolvê-las até atingir o nível esperado pelas organizações onde deseja trabalhar? Faça uma avaliação completa que analise diferentes aspectos. Vamos sugerir algumas perguntas que podem ajudá-lo:

Qual é a sua formação?

Seu atual nível de formação é suficiente para alcançar o cargo desejado ou, pelo menos, o cargo mais próximo daquela trajetória que você traçou? A faculdade garantiu os conhecimentos básicos para iniciar a carreira que pretende seguir? É preciso buscar formações complementares?

Como está o seu nível de conhecimento?

E quanto aos seus conhecimentos? Além da graduação, você possui requisitos importantes para o desempenho do cargo que deseja? Isso pode variar, mas pode ser o domínio de outro idioma ou uma pós-graduação ou MBA, que é um pré-requisito para um cargo de gestão nos dias de hoje.

Quais são as suas competências?

Mesmo que você possua esses conhecimentos, como transformá-los em resultados? Isso se chama competência — o que de fato se consegue fazer com as informações e recursos que possui. Quais são as suas? Quais você ainda precisa desenvolver?

Qual é a força do seu diploma no mercado?

Qual é a força das instituições presentes no seu currículo ou quanto valem os seus certificados? Alguns cursos são reconhecidos pela capacidade de oferecer ensino de excelência e pelo nível de exigência em relação aos egressos, que são bem recebidos — e até disputados — pelo mercado.

Quais são as suas principais deficiências?

Como profissionais, sempre temos pontos em que precisamos nos aperfeiçoar ou até lacunas a completar. Nas perguntas anteriores, você deve ter identificado algumas delas. Seja honesto e liste tudo o que precisa melhorar.

Defina seu plano

A partir dessas respostas, trace um plano para suprir as insuficiências apontadas. A capacitação profissional costuma ser o primeiro ponto que merece atenção. Lembre-se de que investir em formação continuada é essencial para quem deseja alavancar a carreira e alcançar cargos de alta responsabilidade.

É realmente importante investir em formação?

Já comentamos aqui e, provavelmente, você também se depara com essa realidade no dia a dia: o mercado está cada vez mais competitivo. Isso não vale apenas para as empresas, mas também para os profissionais.

O fato é que o profissional menos qualificado simplesmente perde a sua colocação. Além disso, para impulsionar a carreira é necessário demonstrar que você possui um diferencial que pode trazer um resultado real para a empresa.

Esse cenário não é nada lamentável. Na verdade, ele é excelente, pois impulsiona o progresso e a inovação. É o profissional quem precisa se adequar — e a formação continuada contribui bastante, na medida em que:

Atualiza conhecimentos

Todos observamos que a tecnologia não só invadiu os ambientes de trabalho e automatizou uma série de funções. Ela também potencializou a produção e a disseminação do conhecimento de forma exponencial.

Por isso, descobertas ou estudos que levavam anos ou décadas para serem divulgados e disseminados, hoje têm alcance rápido e ampliado. A utilização desses novos conhecimentos pode ajudar uma empresa a se destacar e a conquistar a dianteira do mercado.

Portanto, o profissional que passa algum tempo sem se atualizar fica obsoleto rapidamente. A evolução precisa ser constante, e nesse aspecto, a formação contínua, especialmente por meio da especialização, é essencial para se manter apto a encarar os desafios do mundo corporativo.

Desenvolve competências

O cenário atual exige ação rápida e precisa dos gestores. Eles precisam lidar com um público exigente, com a concorrência, com o desafio de captar e reter talentos, com um cenário econômico turbulento e com as demandas de uma sociedade que requer sustentabilidade e responsabilidade social.

Para enfrentar tudo isso, é fundamental desenvolver um conjunto de competências. Não basta ter conhecimentos teóricos. É importante saber como colocá-los em prática e transformá-los em resultados favoráveis.

Atualmente, boas instituições de ensino focam seus cursos de especialização e MBAs justamente no desenvolvimento dessas competências. Elas preparam o gestor para enfrentar as situações reais e garantir um diferencial competitivo para as empresas em que atuam.

Prepara para o futuro

Como já falamos, o gestor não pode pensar apenas no presente. Para atuar estrategicamente — e garantir um bom posicionamento para companhia — é necessário conhecer as demandas da sociedade e do mercado.

Quando o gestor negligencia a formação continuada, ele perde a oportunidade de conhecer antecipadamente essas tendências ou de desenvolver a capacidade de identificá-las.

Assim, quando a mudança acontece, pode ser tarde demais para a empresa se adaptar. A concorrência pode ter conquistado um espaço irrecuperável, que pode custar o sucesso ou até a sobrevivência da organização.

Garante um diferencial no currículo

Até agora, falamos do impacto da formação para a empresa em que o profissional atua. Porém, é importante destacar que ela tem uma importância ainda maior para sua própria carreira.

Uma boa especialização ou um MBA em uma instituição reconhecida garante um diferencial competitivo fundamental para o candidato a um cargo de liderança. A organização entende que ele não só possui os conhecimentos e as competências, mas também que ele demonstra iniciativa e interesse em aperfeiçoar-se constantemente, uma característica procurada pelas empresas nos profissionais hoje.

Descobriu como ser um bom gestor e o que fazer para chegar lá? Quer receber outras dicas para se preparar para essas grandes oportunidades e alavancar sua carreira? Então, assine a nossa newsletter e receba conteúdos em primeira mão, diretamente em seu e-mail! Aproveite essa chance para alcançar o sucesso!

Escreva um comentário

Share This