Atuar estrategicamente é, sem dúvida, uma das maiores obrigações de uma empresa. Sem isso, é provável que não atinja suas metas e objetivos, nem mesmo se diferencie da concorrência mercadológica. Logo, é crucial criar estratégias.

Todavia, existe um grande “gap” entre estratégia e execução, o que, por vezes, influencia de forma negativa nos resultados desejados, torna a organização menos competitiva e prejudica o alinhamento dos diversos setores e recursos.

Por outro lado, quando uma estratégia bem elaborada é, também, executada com qualidade, são diversos os benefícios. Para tanto, precisa-se reduzir a lacuna entre o teórico e o empírico, garantindo que as ações planejadas sejam bem-sucedidas.

Pensando nisso, elaboramos este guia. Hoje, você vai entender como diminuir a distância entre estratégia e execução e quais técnicas e filosofias gerenciais usar. Continue a leitura e fique por dentro do assunto. Vamos lá!

Realize uma análise consistente do mercado

Toda organização está inserida em um ambiente muito maior, o macroambiente. Nele, é possível identificar várias oportunidades e ameaças ao sucesso, que devem ser analisadas adequadamente para a formulação da estratégia empresarial.

Uma ferramenta útil é a matriz SWOT, que relaciona as oportunidades e ameaças do mercado com as forças e fraquezas da empresa. Há, também, tecnologias como o Clipping Digital e o Google Trends, que ajudam no monitoramento do mercado.

Quanto mais profunda e real a análise do mercado, maior será a possibilidade de criar uma estratégia realista e vantajosa à execução.

Construa um plano de ação eficaz

O plano de ação é uma ferramenta complementar ao planejamento estratégico, sendo que nem sempre é desenvolvido pelos estrategistas. Consiste, na verdade, em um olhar mais micro, indicando tudo o que deve ser feito.

Richard Luecke, no livro “Estratégia”, afirma que “um plano de ação é a convergência entre o planejamento estratégico e a implementação”. Logo, funciona como um passo a passo, apontando os recursos e processos a serem alocados.

Conte com a participação da base da pirâmide

A estrutura de uma organização é, geralmente, representada por uma pirâmide com três níveis, sendo que, no topo, está a alta administração; no meio, a média gerência; e, na base, os operários. Essa estrutura é amplamente replicada.

O planejamento estratégico sempre fica a cargo do topo ou meio da pirâmide, afinal, esses profissionais têm mais conhecimento e as melhores formações. Contudo, estão igualmente distantes dos clientes atendidos, das vendas e das operações.

Assim, para criar uma estratégia eficaz, conte com o apoio dos operários. Realize reuniões, peça sugestões e envolva-os em alguma parte do plano.

Delegue mais poder à equipe de Front Office

A equipe de Front Office é composta pelos profissionais que têm mais contato com os clientes da empresa, como os atendentes, vendedores e recepcionistas. Estes são essenciais ao sucesso do planejamento estratégico.

Por essa razão, é preciso conceder mais poder aos profissionais de Front Office, permitindo que resolvam demandas dos clientes sem recorrer à supervisão. Logo, os processos serão mais ágeis, e os objetivos, alcançados com maior facilidade.

Tenha indicadores de crescimento adequados

A definição de indicadores é cada vez mais importante na gestão empresarial, em especial na gestão estratégica. Com eles, é possível observar o que tem dado certo e o que precisa ser melhorado antes mesmo que o problema evolua.

Alguns indicadores são:

  • nível de satisfação dos clientes;
  • número de reclamações;
  • índice de lucratividade das operações;
  • percentual de absenteísmo dos funcionários;
  • taxa de conversão das vendas.

A definição dos indicadores ideais varia bastante de acordo com o objetivo final. Se o intuito é ser a maior indústria da América Latina, por exemplo, deve-se acompanhar o nível de presença no mercado, vendas e satisfação dos clientes.

Elimine os gargalos existentes na empresa

É considerado gargalo tudo o que atrapalha o alcance dos objetivos definidos no planejamento estratégico, como trabalhadores desmotivados ou equipamentos obsoletos. Por isso, devem ser eliminados, neutralizados ou corrigidos.

Existem 6 Ms que, eventualmente, podem ser considerados gargalos: máquinas, métodos de produção, mão de obra, métricas, meio ambiente e material utilizado. Deve-se analisá-los um a um, objetivando identificar e mitigar os obstáculos.

Adote metodologias que potencializem os resultados

Existem diversas metodologias que podem potencializar a gestão de uma empresa e tornar mais provável o alcance de resultados específicos. Elas devem ser selecionadas e implementadas com diligência. Confira algumas das principais:

  • metodologia SCRUM para gestão de projetos;
  • Seis Sigma, 5S ou ciclo PDCA para gestão da qualidade;
  • gamificação ou coaching para o desenvolvimento de pessoas;
  • Balanced Scorecard (BSC) para medição do desempenho;
  • Diagrama de Ishikawa para identificação de problemas.

Esses são apenas alguns exemplos de metodologias que podem ser usadas, contudo, existem muitas outras. Elas devem ser selecionadas com base no objetivo proposto, cultura organizacional e adequação ao atual contexto empresarial.

Melhore a comunicação interna empresarial

Por muito tempo, a comunicação empresarial foi sinônimo de marketing com os clientes finais, porém, essa já não é uma realidade. A comunicação com o público interno é cada vez mais importante, sendo indispensável para manter o alinhamento, a motivação e o comprometimento com os objetivos.

Insira canais de comunicação que otimizem o diálogo entre os líderes e subordinados, bem como entre profissionais que atuam no mesmo nível. Dos canais, é possível destacar: aplicativos mobile, redes sociais corporativas, sistemas especializados, intranet e TV corporativa.

Invista no desenvolvimento dos profissionais

É importante, também, que o líder e sua equipe de trabalho tenham as competências necessárias para executar a estratégia inicialmente definida. Com profissionais talentosos e desenvolvidos, é muito mais provável obter sucesso.

Por essa razão, participe de cursos de gestão ou liderança empresarial, busque se aperfeiçoar em sua área de atuação e realizar um MBA. Incentive a equipe de trabalho a fazer o mesmo, assim, todos poderão crescer e contribuir significativamente para o sucesso da estratégia empresarial.

Como se pode observar, há diversas táticas que podem ser usadas para reduzir a distância entre estratégia e execução. É especialmente importante investir no time, energizando-o e capacitando-o para que entregue resultados acima da média. No final, toda a organização será beneficiada.

Gostou do conteúdo? Pronto para reduzir a distância entre estratégia e execução? Aproveite para continuar aprendendo conosco. Leia nosso artigo “8 ferramentas imperdíveis de gestão de projetos”! Até lá!

Escreva um comentário

Share This