O intraempreendedorismo é o nome dado ao comportamento de colaboradores que adotam uma postura empreendedora dentro dos limites de uma organização. O conceito surgiu há quase 4 décadas, mas foi nos últimos anos que a maior parte das empresas começou a compreender a sua importância para os negócios.

Enquanto o empreendedor externo é uma pessoa que cria um negócio próprio e assume os riscos de sucesso ou fracasso da empreitada, um intraempreendedor é um profissional que busca a inovação e o desenvolvimento de novas ideias em uma empresa já estabelecida — assumindo riscos controlados para maximizar a geração de valor.

Neste artigo, listamos 7 dicas para quem quer assumir uma postura de intraempreendedorismo e se destacar dentro da empresa. Confira!

1. Pratique a criatividade e dê espaço para a inovação

O intraempreendedor é, antes de tudo, um profissional que utiliza a inovação para aprimorar os processos da organização. E, para isso, uma de suas armas é a criatividade.

Ao contrário do que algumas pessoas acreditam, a criatividade não é um talento natural que só se manifesta em quem nasceu com esse dom, mas, sim, uma habilidade que, como qualquer outra, precisa de prática para ser aperfeiçoada.

Para adotar uma postura intraempreendedora, é muito importante utilizar sua capacidade criativa com regularidade durante o trabalho, sempre buscando solucionar os problemas com a inovação.

2. Acompanhe tendências e fique atento às oportunidades

Um empreendedor é uma pessoa que percebe uma oportunidade no mercado e assume os riscos para a criação de um negócio que atenda a essa demanda. Para isso, ele precisa estar atento às tendências da área em que pretende atuar — além de conseguir enxergar essas chances com clareza.

Esse mesmo comportamento também é importante para um intraempreendedor. Ele deve acompanhar todas as novidades que estão em alta no setor da empresa em que trabalha para descobrir quais poderão ser adotadas e, assim, maximizar a geração de valor.

Além de se manter informado sobre o mercado de atuação, é interessante estar atento ao modo como a concorrência trabalha — para evitar que a sua empresa seja deixada para trás.

3. Domine a arte de trabalhar em equipe

Saber como trabalhar em equipe é, na verdade, uma habilidade desejada para qualquer tipo de profissional. E essa capacidade é ainda mais importante para os intraempreendedores.

A força de um time é fundamental tanto para o empreendedorismo externo como para o interno. Assim como o empreendedor externo precisa convencer outras pessoas da importância de investir em sua ideia para conseguir transformá-la em negócio, o intraempreendedor também deve ser capaz de organizar e engajar a equipe para alcançar um objetivo da empresa.

Para isso, é interessante conhecer bem o perfil de cada colega e saber em qual tipo de desafio eles são capazes de entregar os melhores resultados.

Outra dica é ter uma visão clara de onde começam e terminam as responsabilidades de cada integrante do time, para evitar que o tempo seja desperdiçado com retrabalhos e delegações incorretas.

4. Seja parte da empresa e da mudança

Uma das principais diferenças entre os intraempreendedores e os colaboradores que estão apenas na espera pelo próximo salário é a forma como eles se enxergam dentro da empresa.

O intraempreendedor investe o seu tempo e as suas habilidades na organização porque se vê como parte da companhia, o que significa que ele compreende que, com o crescimento da empresa, ele também partilhará desse sucesso e crescerá junto.

Claro que nem sempre essa relação simbiótica é possível: para ter verdadeiros intraempreendedores em suas fileiras, uma empresa deve ser capaz de recompensá-los adequadamente e, com isso, incentivar essa postura. Um bom intraempreendedor, portanto, deve ser reconhecido.

5. Assuma riscos calculados

Tal qual o empreendedor que assume diversos riscos quando converte uma oportunidade em negócio, o intraempreendedor também deve compreender que as incertezas existirão no seu cotidiano.

Ser capaz de assumir riscos não é o mesmo que ser irresponsável ou inconsequente, mas o exato contrário. Para assumir um risco, é preciso, antes de tudo, ter consciência das ameaças e não ser apanhado de surpresa por algo que não foi considerado durante o planejamento.

Logo, o intraempreendedor precisa ser capaz de calcular os riscos de cada novo projeto interno e considerar quais serão as melhores formas de lidar com eles. Isso pode ser feito com um mapeamento e a qualificação dos riscos, com base no impacto e na probabilidade de ocorrência de cada ameaça.

6. Especialize-se em uma área, mas conheça o processo completo

Como colaborador de uma empresa, o intraempreendedor naturalmente será um especialista nas funções para as quais foi contratado. Mas, além de buscar se aprimorar cada vez mais naquilo que faz de melhor, ele precisa também alcançar uma visão holística do negócio em que está inserido.

Quando o intraempreendedor compreende o processo completo de geração de valor da empresa, ele deixa de ser apenas mais um na linha produtiva. Com essa visão ampla, é possível enxergar mais oportunidades de inovação e melhorias contínuas para a empresa.

Além disso, se o intraempreendedor sabe qual é a sua responsabilidade, como parte do time, ele consegue desenvolvê-la e integrá-la melhor às etapas da geração de valor do negócio.

7. Lide com a resistência de forma inteligente

Um dos maiores desafios dos intraempreendedores é lidar com a resistência à inovação em algumas companhias. Estruturas burocráticas consolidadas, funcionários acomodados e hierarquias engessadas são fatores adversos ao intraempreendedorismo e à inovação.

Para lidar com esses problemas, é fundamental ter uma abordagem inteligente e estratégica. Em vez de tentar bater de frente com as intransigências organizacionais, a dica é que os intraempreendedores busquem convencer com suavidade os times da importância das mudanças e da inovação.

Para isso, conheça quem são as pessoas com autonomia para fazer mudanças e utilize dados que comprovem a importância da inovação nos processos e a necessidade de novos projetos.

Em algumas empresas, que têm a mentalidade aberta ao intraempreendedorismo, esse desafio será menor, mas, ainda assim, poderá existir. Portanto, é preciso estar pronto para encarar essas adversidades.

Agora que você conheceu as 7 dicas para adotar o intraempreendedorismo, aproveite para assinar a nossa newsletter e ficar por dentro dos melhores conteúdos sobre carreira e gestão!

Escreva um comentário

Share This