Construir uma carreira sólida não é fácil. O caminho para o sucesso é repleto de obstáculos, e superá-los requer muito foco, dedicação e persistência. No entanto, existe um meio de tornar essa trajetória mais simples: elaborar um bom plano de carreira. Afinal, quando se sabe exatamente o que fazer, fica mais fácil alcançar os resultados desejados.

O plano serve como um guia para o profissional atingir suas metas de forma rápida e precisa. Desenvolvê-lo demanda tempo, mas os desafios conquistados fazem o esforço valer a pena.

Pensando nisso, criamos este manual com tudo o que você precisa saber para traçar o seu plano de carreira. Explicamos os principais tipos de crescimento profissional do mercado, como atuar em alta performance e o passo a passo para conduzir sua trajetória com maestria. Ficou interessado? Acompanhe o post!

Carreira em Y

É impossível falar em plano de carreira sem abordar os principais modelos de crescimento adotados atualmente: as carreiras em Y e em W. Vamos começar com a carreira em Y.

O que é e como surgiu a carreira em Y?

Por muito tempo, o modelo linear foi a única opção de crescimento no mundo corporativo. O roteiro era sempre o mesmo: o funcionário era contratado para exercer um cargo operacional e avançava posições até chegar aos cargos de liderança, como supervisor, coordenador, gerente ou diretor.

Assim, ser bem-sucedido significava conquistar status e poder, tornando-se um gestor responsável por decisões estratégicas. No entanto, esse sistema começou a apresentar alguns problemas:

  • valorização de um único perfil, desconsiderando a diversidade de habilidades existente na empresa;
  • o número de cargos de liderança é sempre menor que o de profissionais competentes. Com isso, muita gente boa fica estagnada;
  • nem sempre o profissional deseja ou se identifica com um cargo de liderança. Muita gente acaba aceitando por ser a única forma de ser valorizado na empresa;
  • muitos funcionários são promovidos a líderes sem ter o perfil adequado para a tarefa. Dessa forma, ficam frustrados por realizar atividades incompatíveis com o que desejam e não geram resultados satisfatórios.

Diante desses problemas, surgiu um modelo que leva em conta as aptidões de cada colaborador, sem priorizar quem almeja cargos de gestão: a carreira em Y. Nesse sistema, o profissional pode subir para posições de liderança ou tornar-se um especialista técnico em determinada área, com o mesmo prestígio e remuneração oferecidos aos gestores.

Quando o funcionário deseja ocupar um cargo de liderança, ele pode optar pelo sistema tradicional e se preparar cursando um MBA, para desenvolver competências de comunicação, gestão de pessoas e visão macro do negócio.

A diferença é que quem tem um perfil mais “mão na massa” também tem oportunidades de crescimento. Ao tornar-se especialista de um setor, o colaborador fica responsável pelo desenvolvimento de produtos, projetos e pesquisas estratégicas. Dessa forma, ele continua atuando com o que gosta sem perder a chance de ser valorizado.

Quais são as vantagens da carreira em Y?

Para a empresa, a maior vantagem da carreira em Y é a possibilidade de inovar por meio do trabalho dos especialistas. Eles são capazes de unir características visionárias a um profundo conhecimento técnico, a fim de levar ao mercado soluções realmente diferenciadas.

No modelo linear, existiriam apenas gestores. Eles são importantes para definir estratégias e se relacionar com os públicos de interesse da organização, mas não possuem o tempo nem as competências necessárias para desenvolver produtos e serviços fora da curva.

Outra vantagem é o uso inteligente do capital humano. Cada um desempenha o papel mais adequado ao seu perfil e é devidamente valorizado por isso. Assim, diminuem os riscos de baixo desempenho e frustração por assumir uma posição indesejada.

Nesse contexto, a satisfação da equipe aumenta, o que gera ganhos em produtividade e clima organizacional, além de facilitar a atração e retenção de talentos. Quando a empresa valoriza múltiplos perfis, é natural que haja mais gente interessada em integrar o time e fazer o negócio crescer.

Carreira em W

Outro modelo bastante utilizado no mercado é a carreira em W, que oferece ainda mais possibilidades de crescimento. Confira a seguir tudo sobre essa tendência.

O que é e como surgiu a carreira em W?

Apesar de a carreira em Y oferecer uma nova opção de crescimento, muitos funcionários ainda não se encaixam bem no modelo. Isso acontece porque o sistema não leva em conta profissionais interdisciplinares, que possuem tanto a aptidão para liderança quanto o perfil para criar soluções inovadoras.

Nesse cenário, a chance de o colaborador se frustrar é alta. Se escolher a carreira gerencial, ficará impossibilitado de atuar ativamente no desenvolvimento de projetos. Caso se torne um especialista, não poderá tomar decisões estratégicas, por mais que tenha interesse e aptidão.

Para atender aos interesses desse perfil, foi criada a carreira em W. Nela, além dos cargos gerenciais e técnicos, há também a opção de se tornar um líder técnico. São criadas posições versáteis e dinâmicas, como a de gerente de projetos, que valorizam a multidisciplinaridade.

Dessa forma, o colaborador consegue simultaneamente atuar no desenvolvimento de projetos e gerenciar uma equipe sob sua liderança. Trata-se de um caminho intermediário, no qual o profissional concilia as duas atividades, sem precisar abrir mão de uma pela outra. Com isso, a mesma pessoa pode atuar como desenvolvedor e CEO ao mesmo tempo, por exemplo.

A carreira em W também facilita que os funcionários mudem de setor se desejarem. Por valorizar o desenvolvimento de múltiplas competências, empresas que adotam esse modelo costumam enxergar com bons olhos movimentações horizontais na estrutura hierárquica. Basta que o colaborador se prepare adequadamente para ser aceito em uma nova função.

Quais são as vantagens da carreira em W?

A satisfação, engajamento e produtividade dos colaboradores superam as da carreira em Y. Afinal, as possibilidades de crescimento são ainda mais completas, já que existe a valorização de diversos perfis. A atração e retenção de talentos também melhoram, com uma grande variedade de profissionais qualificados interessados em fazer parte da organização.

Quem tem interesse em fazer transição de carreira pode se beneficiar muito desse modelo. Para que ele seja bem-sucedido, as empresas precisam investir no desenvolvimento de competências. Essa é uma ótima chance para os funcionários se tornarem cada vez mais completos e aptos a assumir posições diferentes.

Os cursos, treinamentos e feedbacks fornecidos pela organização ajudam a adquirir novas habilidades técnicas e gerenciais, preparando os profissionais para lidar com diversos cenários. Com isso, o colaborador pode combinar conhecimentos para trilhar o próprio caminho na organização, em uma ou mais áreas de atuação.

Carreira de alta performance

Independentemente do modelo de carreira escolhido, quem deseja construir uma trajetória de sucesso deve ter foco em alta performance, ou seja, entregar resultados além da expectativa e se tornar indispensável para a organização.

Para atingir esse objetivo, não existe fórmula mágica, mas sim uma série de atitudes que contribuem para obter o melhor desempenho possível. Veja abaixo as principais.

Transforme erros em oportunidades

Profissionais que buscam alta performance costumam ser pouco tolerantes com as próprias falhas. No entanto, é preciso ter em mente que todos cometem erros, e com você não será diferente. O ideal é refletir sobre esses momentos e saber que eles não são o fim do mundo, e sim uma oportunidade para virar a chave e fazer diferente.

Esteja aberto a feedbacks, ajuste a rota e siga em frente de cabeça erguida. Se você colher um aprendizado de cada situação, certamente os resultados serão diferentes da próxima vez.

Supere as expectativas

“Se quiser ter resultados diferentes, faça algo diferente”. A frase se tornou clichê, mas é muito válida na busca pela alta performance. Fuja da média e faça sempre além do que é esperado de você. Não apenas bata suas metas, supere-as. Tenha coragem para arriscar e buscar soluções inovadoras.

Faça tudo isso simplesmente por querer dar o seu melhor, sem ficar de olho em possíveis recompensas. A valorização virá como consequência do seu trabalho. E se não vier, você terá resultados suficientes para buscar reconhecimento em outro ambiente profissional.

Tenha foco nas suas tarefas

A internet é uma faca de dois gumes: se por um lado ela otimiza processos de trabalho, por outro é uma fonte infinita de distrações que sabotam seu desempenho. Redes sociais, aplicativos de mensagens, notícias, vídeos engraçados… Se você não tomar cuidado, pode perder um tempo precioso nessas pequenas atividades e arruinar sua produtividade.

Desligue as notificações do celular enquanto estiver realizando alguma tarefa, de modo que consiga desempenhá-la com rapidez e qualidade. Evite também outras formas de procrastinação, como uma pausa muito longa para o cafezinho ou conversas improdutivas com os colegas.

Por sermos seres sociais, precisamos dessas interações, mas há momentos mais adequados para elas. Na hora de produzir, concentre-se.

Cuide das emoções

Ter inteligência emocional é essencial para lidar com as pressões e conflitos do dia a dia. Os prazos apertados, cobranças por resultados e problemas de relacionamento devem ser administrados com calma e sensatez, para que não prejudiquem a produtividade nem a saúde do profissional.

Muita gente com potencial deixa de realizar sonhos e atuar em alta performance por não conseguir equilibrar suas emoções. E isso não acontece apenas no mundo corporativo, mas também em outras áreas, como o esporte e as artes. Quantas vezes você já não ouviu falar de algum jogador de futebol que teve queda de rendimento por causa de problemas pessoais?

Para desenvolver o controle emocional, terapia e coaching são ótimas alternativas. Um psicólogo vai ajudar você a superar traumas e lidar com questões mais pessoais. Já o coach servirá como um guia profissional, abrindo seus olhos para algumas situações que talvez fosse difícil perceber por conta própria.

Faça escolhas

Para obter resultados acima da média, você terá que abrir mão de algumas coisas. Será preciso perder horas de lazer, trabalhar nos finais de semana, aprender a dizer “não” e economizar dinheiro, principalmente se o seu objetivo for abrir a própria empresa. Avalie o cenário e esteja consciente dessas perdas para seguir em frente. Elas, com certeza, valerão a pena no futuro.

Desenvolva um mindset voltado para o sucesso

Qual é a qualidade dos seus pensamentos diante dos desafios? Para conseguir superá-los, é fundamental encará-los de forma positiva, deixando de lado os aspectos negativos. Programe sua mente para não pensar no fracasso, e sim nas habilidades e conhecimentos que você tem para alcançar bons resultados.

Quanto mais acreditamos no sucesso, menores são nossas chances de falhar. Um mindset positivo é capaz de extrair todo o seu potencial e ainda inspirar outras pessoas, fazendo com que elas também produzam mais. Mentalize seu desempenho antes de iniciar uma tarefa e você terá meio caminho andado para executá-la em alta performance.

Tenha mentores e parceiros

Sucesso chama sucesso. Aproxime-se de pessoas da sua área que também tenham foco em alta performance e troque experiências. Assim, um inspira o outro e todos ficam motivados a dar o melhor de si.

Também é importante buscar conselhos de profissionais mais experientes, como gestores, professores ou grandes nomes do mercado. Um mentor pode ajudar a lapidar seu talento e guiar seu caminho rumo a grandes conquistas.

O LinkedIn é um ótimo meio para fazer esses contatos. Além da possibilidade de se conectar a diversos perfis, foi criada na plataforma uma ferramenta de aconselhamento, que indica veteranos dispostos a ajudar outros profissionais.

Como montar um plano de carreira

Agora que você já conhece os principais caminhos para crescer no mundo corporativo, é hora de aprender a elaborar um plano de carreira efetivo. Confira o passo a passo para planejar sua trajetória adequadamente.

Não terceirize o plano de carreira

Muitas empresas oferecem um plano de carreira estruturado para seus funcionários, o que leva muita gente a pensar que essa é uma responsabilidade das organizações. Não cometa esse erro. Se você quiser ser protagonista da sua carreira, não deve deixar o planejamento nas mãos de terceiros.

Os planos oferecidos pelas empresas são válidos apenas enquanto o colaborador está lá, ou seja, não servem para outros ambientes profissionais. Se ocorrer uma demissão inesperada, tudo vai por água abaixo. O ideal é que você tenha seus próprios objetivos e meios para conquistá-los, independentemente de onde esteja trabalhando.

Busque autoconhecimento

Para descobrir aonde você quer chegar, é necessário buscar autoconhecimento, e isso só é possível por meio de uma reflexão profunda. Portanto, pense seriamente sobre as coisas que você mais gosta de fazer, quais são suas maiores habilidades, de que maneira é mais produtivo e quais são seus valores pessoais, entre outros questionamentos.

Essa compreensão vai ajudar a definir seu alvo e o caminho a ser percorrido. Você poderá, por exemplo, buscar empresas que tenham valores parecidos com os seus, ou escolher o modelo de carreira que tenha mais a ver com as suas características. Além disso, essa reflexão mostrará em que você é bom e quais competências precisa evoluir para se tornar um profissional completo.

Conheça bem seu estágio atual

Antes de definir o futuro, reflita sobre seu atual momento. Qual é sua ocupação hoje? Você gosta do que faz? O que o motiva a trabalhar todos os dias? Você mudaria algo em sua profissão? Todas essas perguntas servem para pontuar o que tem dado certo ou não para você. Com base nisso, será possível tomar decisões importantes para o seu rumo profissional.

Dependendo das suas respostas, você pode se deparar com grandes desafios, como a necessidade de mudar drasticamente de área. De repente, ao refletir, você vai perceber que sua carreira como advogado não lhe traz satisfação e descobrir que sua real vocação é a educação física. A transição vai ser difícil, mas precisa ser feita. É melhor mudar a rota quando as coisas não vão bem do que insistir em algo que o incomoda.

Defina metas e prazos

Depois de refletir sobre seus desejos, habilidades e momento profissional, é hora de definir as metas de carreira. Faça uma lista com objetivos bem específicos, como:

  • cargo que quer ocupar daqui a dois, cinco e dez anos;
  • salário desejado;
  • empresas onde quer trabalhar;
  • natureza do trabalho (líder, especialista, líder técnico, empreendedor).

As possibilidades são muitas. Tudo vai depender da sua personalidade e do que você deseja para a carreira.

É essencial que esses objetivos tenham prazos bem delineados. Assim, você se motiva, coloca na balança as dificuldades que enfrentará e torna suas metas mais concretas. Sem prazos, tudo é muito vago, e o risco de o plano ser deixado de lado é altíssimo.

Também tenha cuidado com metas inalcançáveis, como “ir de analista a presidente da empresa em um ano”. O maior benefício de definir objetivos é a satisfação que você tem ao atingi-los. Se você almejar o impossível, tudo o que conseguirá será frustração. Sonhar alto é muito bom, mas é preciso ter bom senso.

Entenda a demanda do mercado

Levar em conta as necessidades do mercado é fundamental para um plano de carreira efetivo. Faça uma pesquisa e mantenha-se atualizado para entender as demandas das empresas e as condições de empregabilidade da sua área.

Essa etapa vai muito além de identificar profissões que estão em alta. A real vantagem é compreender o que se espera de cada profissional, para cada atividade desempenhada. Dessa forma, você descobrirá quais habilidades o mercado procura e não tem encontrado, ganhando a chance de criar um diferencial competitivo para a sua carreira.

Outro benefício é compreender como o avanço da tecnologia está mudando o mercado de trabalho. Assim, você poderá se preparar para a nova realidade do mundo corporativo, na qual profissões operacionais deixarão de existir e darão lugar a novas posições, mais analíticas e estratégicas.

Trace um plano de ação

Com as metas definidas, trace um plano de ação com tudo o que você precisará fazer para alcançá-las. Normalmente, isso envolve cursos, treinamentos, participação em eventos e alta performance no dia a dia de trabalho.

Ao decidir essas atividades, considere o tempo e dinheiro que você precisará investir para realizá-las. Seja para fazer um curso de inglês no exterior ou um MBA, é importante saber de antemão como será sua organização financeira para pagar as mensalidades e quantas horas por dia você precisará se dedicar aos estudos, entre outros detalhes.

Coloque o plano no papel e faça revisões periódicas

O plano de carreira deve ser documentado. Com as metas e atividades no papel, você tem um controle melhor de todas as etapas e não corre o risco de esquecer algum detalhe.

Também é importante revisar o planejamento periodicamente. Reserve um espaço para anotações e observações gerais, com o intuito de avaliar o seu próprio desempenho. Dessa forma, você consegue observar se está seguindo o plano à risca ou se ele precisa de ajustes.

Lembre-se de que o planejamento não é uma rota fixa, pois diversos fatores externos ou inesperados podem fazer com que ele precise de mudanças. A única regra é não abandonar seus objetivos ou torná-los inalcançáveis. Fazer alterações demais também é um mau sinal, pois indica que você não sabe bem o que quer e precisa buscar mais autoconhecimento.

Inspire-se em exemplos de sucesso

Você já deve ter notado que elaborar um plano de carreira requer muita paciência e disciplina. Uma boa maneira de manter o foco é buscar inspiração em figuras de sucesso. Procure conhecer histórias de pessoas que se planejaram e conseguiram crescer profissionalmente com ótimos resultados.

Esses homens e mulheres podem até ser de áreas diferentes da sua, mas certamente passaram por obstáculos muito parecidos com os que você encontrará no caminho. Observe suas atitudes e absorva os valores desses profissionais. Isso certamente será um combustível extra para você manter seu planejamento de pé.

Chegamos ao fim do nosso manual sobre plano de carreira! Agora que você já sabe tudo sobre o assunto, é hora de colocar o que aprendeu em prática. Reflita sobre onde está e aonde quer chegar, defina metas e faça tudo o que for necessário para ter o resultado que deseja.

Foco é a palavra-chave. Fuja de modismos e diga “não” a propostas que estejam fora dos seus planos, por mais tentadoras que pareçam. Lembre-se: fazer sacrifícios agora pode significar grandes conquistas no futuro. Com dedicação e persistência, você terá muitos motivos para se orgulhar da sua carreira!

Gostou do artigo? Não se esqueça de assinar a nossa newsletter. Assim, você receberá diretamente no seu e-mail os melhores conteúdos sobre gestão de carreira!

 

Escreva um comentário

Share This