Orientação de equipes, retenção de talentos e mediação de conflitos estão entre as principais atividades exercidas pelos líderes. Por se envolverem em inúmeros processos, esses profissionais ocupam cargos estratégicos nas empresas e passam a ter uma visão global do negócio.

Mas participar de diversas atividades não é suficiente para se tornar um bom gestor, muito menos para manter esse perfil ao longo do tempo. Como toda figura exemplar, o líder precisa investir no aprimoramento constante se quiser atualizar conhecimentos, desenvolver habilidades e dominar novas ferramentas.

Aprender sobre fundamentos de liderança também é essencial para entender as características desejáveis na gestão empresarial. Em outras palavras, fica mais fácil selecionar e aplicar as melhores ações no dia a dia de trabalho.

E você, quer saber mais sobre como esse aprendizado impacta nos negócios? Continue a leitura para descobrir!

Afinal, o que é liderança?

Muitos conceitos são atualizados com o passar dos anos, incluindo o de liderança, que, mais do que nunca, vem sendo debatido dentro das empresas. Hoje, o termo é aplicado nos mais variados meios e seus espaços — políticos, industriais, religiosos etc.

No ambiente corporativo, a liderança pode ser resumida como a habilidade de conduzir, orientar e auxiliar um grupo a partir de valores positivos. Motivação, inspiração e proatividade são bons exemplos, mas existem outras características que contribuem para isso.

Um líder é alguém capaz de estimular colaboradores e de extrair o melhor de cada indivíduo, sempre visando benefícios comuns e a conquista de resultados para a organização. Para isso, é fundamental ter visão sistêmica e atuar em diferentes processos, bem como acompanhar o desempenho de todos os envolvidos.

Como todo cargo relevante, a liderança pode se desdobrar em perfis distintos, porque cada empresa tem um modo de conduzir suas atividades — condição que interfere no tipo de profissional escolhido para ficar à frente das equipes.

Em alguns casos, um único gestor consegue adotar mais de um perfil para tirar proveito de características específicas. Trata-se de uma excelente estratégia para adequar metas e objetivos às necessidades que surgem em diferentes períodos.

Quais são os estilos de liderança mais comuns?

Conheça, a seguir, alguns dos estilos de liderança mais habituais:

Liderança autocrática

É um modelo no qual a autoridade e as decisões ficam centralizadas no líder. Comum em diversas instituições, não permite aos liderados manifestar opiniões ou participar de definições importantes, apenas obedecer e atender aos pedidos de uma figura superior.

Um líder autocrático tende a ser autoritário, dominador e dar muitas ordens. Isso faz com que os colaboradores tenham um grande volume de atividades para executar. Questionamentos são evitados entre as equipes, que podem se sentir sobrecarregadas e, em longo prazo, sem motivação para cumprir seus trabalhos.

Liderança democrática

Nesse modelo, o líder aceita e, inclusive, incentiva o envolvimento dos liderados nas tomadas de decisão. É uma forma democrática de trabalhar, na qual todos os colaboradores podem contribuir com ideias, sugestões e críticas.

Essa liderança também é denominada consultiva ou participativa, visto que se baseia na participação de diferentes profissionais. É comum ver o líder assumindo uma posição de apoio para ajudar a equipe a atingir os objetivos. Por interagir, encorajar e se preocupar com o grupo — mesmo que a palavra final seja sua —, aumenta a satisfação dos colaboradores e melhora a comunicação dentro da empresa.

Liderança liberal

Como o próprio nome indica, é um modelo que dá bastante autonomia aos integrantes das equipes. O gestor, nesse caso, permite aos colaboradores tomar decisões de maneira individual ou em conjunto por acreditar que são maduros o suficiente para fazer boas escolhas.

No dia a dia, tanto o líder quanto o seu time ficam livres para exercer suas funções. A cobrança é menor, assim como a supervisão das pessoas. Por esse motivo, é preciso cuidado para que o excesso de liberdade não resulte em uma liderança evasiva, que ignora falhas, não avalia o desempenho da equipe e nem oferece feedbacks.

Como ser um exemplo de liderança na empresa?

Liderar exige paciência, dedicação e bastante persistência. De fato, ninguém nasce pronto para assumir tamanha responsabilidade, mas é possível ser reconhecido como um exemplo a partir de muito estudo e preparo.

Se você pretende se tornar um bom gestor, precisa enfrentar um caminho repleto de desafios e novos conhecimentos. É claro que a carreira será planejada com foco nesse objetivo, que inclui a busca pelo desenvolvimento profissional.

Confira as ações que são essenciais para dar o primeiro passo com segurança:

Conheça a organização

A visão estratégica é um dos mais importantes fundamentos de liderança porque permite ao gestor ficar a par de tudo o que acontece dentro do ambiente empresarial. Acontece que é impossível dominar tal característica se você não conhecer a fundo a organização.

Nesse sentido, procure estudar todos os processos que movimentam a empresa, e não apenas as atividades mais relevantes. Dessa forma, poderá se identificar com a cultura existente e propor soluções que realmente tragam resultados ao negócio.

Identifique falhas e acertos

Outra atitude que transforma um gestor em bom líder é observar cada atividade realizada dentro da empresa. Esse olhar atento a diferentes processos permitirá levantar pontos positivos e negativos presentes na atuação das equipes.

Com base nos dados obtidos, é possível identificar o que funciona e o que demanda algumas melhorias. Atitudes negativas ou que não trazem respostas devem ser eliminadas quanto antes para que a qualidade do trabalho seja mantida.

Valorize seus colegas

Com o tempo, muitos liderados tendem a se tornar parceiros do gestor. As chances de isso ocorrer aumentam quando o trabalho de cada um é reconhecido pela figura de liderança.

Logo, se você deseja que os colaboradores se envolvam nas atividades e tenham vontade de crescer com a empresa, precisa desenvolver a empatia. Respeitar seus colegas de trabalho, buscar formas de contornar seus defeitos e valorizar suas qualidades é essencial para criar laços de confiança.

Estude sempre

A jornada para ocupar e se manter em um cargo de liderança também exige muito estudo. Afinal, da mesma forma que procura capacitar colaboradores e otimizar processos, o líder precisa investir na melhoria das próprias habilidades.

Buscar novos conhecimentos, pesquisar sobre o mercado e testar ferramentas devem ser práticas comuns a qualquer gestor exemplar. Algumas competências estratégicas também podem ser desenvolvidas para aumentar a qualidade desse trabalho (falaremos delas no próximo tópico).

Quais são as habilidades fundamentais de um bom líder?

Montar uma equipe variada e garantir que se comprometa com os resultados da empresa não é fácil, contudo, sem as competências desejáveis em um cargo de liderança, esse objetivo passa a ser inalcançável.

Sabendo disso, é importante que você conheça as habilidades que compõem um líder e busque formas de inseri-las em seu cotidiano. Listamos as principais a seguir:

Proatividade

Dar o exemplo é mostrar o melhor caminho para a equipe. Para fazer isso, o gestor precisa tomar iniciativa várias vezes ao dia: explicar o sistema de uma ferramenta, provar a utilidade de um equipamento, testar o funcionamento de uma técnica etc.

Em outras palavras, é necessário ser proativo e não ter medo de explorar possibilidades. Muitos colaboradores tendem a se espelhar nas ações de seus líderes porque confiam em suas decisões e em seu conhecimento. Portanto, não perca a chance de levar bons ensinamentos e de motivar pessoas diariamente.

Flexibilidade

Um bom profissional deve ser capaz de adequar o estilo de liderança à complexidade de cada situação. Como dissemos, é possível tirar proveito das vantagens de vários perfis (autocrático, democrático, liberal, entre outros) conforme a necessidade.

Essa flexibilidade é essencial para lidar com diferentes ambientes e condições, sem deixar de lado o bem-estar dos colaboradores e o cumprimento das metas estabelecidas. Se uma nova equipe ainda não atingiu o nível de maturidade desejado, por exemplo, cabe ao líder adaptar as estratégias e a rotina de trabalho para colher resultados.

Controle emocional

O líder é a pessoa por trás do trabalho de vários profissionais. Logo, é esperado que seus comportamentos e personalidade tenham alguma influência no andamento das atividades.

Em todo caso, o equilíbrio é a chave para manter boas relações com os integrantes das equipes. Assim, antes de assumir um cargo de liderança, você deve se preocupar com a inteligência emocional e aprender a controlar as próprias emoções.

Saber interpretar sinais emitidos por outras pessoas também é fundamental. Com base em sentimentos de frustração ou descontentamento, por exemplo, fica mais fácil se colocar no lugar do outro, conversar sobre problemas e buscar formas de contornar situações ruins (crises, imprevistos, prazos apertados etc.).

Boa comunicação

Emitir informações de forma clara é determinante para manter as equipes alinhadas, além de reduzir os erros causados pela falta de dados. Não é à toa que a boa comunicação entra na lista dos principais fundamentos de liderança.

Para o gestor, dominar essa habilidade significa dialogar com um português impecável, divulgar notícias internas de maneira eficiente, manter os colaboradores atualizados e se certificar de que as mensagens foram compreendidas por todos. Só assim fará com que os objetivos sejam alcançados no tempo certo e com a qualidade desejada.

Espírito de equipe

Uma empresa conta com a atuação de diversos profissionais. Cada um tem características individuais próprias e expectativas em relação ao trabalho realizado. Então, como constituir um time e fazer com que essas pessoas se empenhem na missão de bater as mesmas metas?

A saída pode estar na promoção do espírito de equipe. Como você pode imaginar, essa tarefa deve partir do líder, que será responsável por reforçar a importância do trabalho em conjunto sempre que tiver oportunidade. Reuniões agendadas, encontros rápidos e até momentos menos formais são propícios para isso.

O objetivo é envolver os colaboradores nas atividades e fazer com que se sintam parte de cada conquista. Para tanto, é fundamental estabelecer uma relação mais próxima com os liderados, acompanhá-los no dia a dia, ouvir suas ideias e investir em discursos motivadores.

Capacidade de reter talentos

Um bom líder reconhece as potencialidades dos colaboradores e trabalha para mantê-los em seu time. Há várias formas de fazer isso: proporcionar um ambiente estimulante e agradável, oferecer benefícios, viabilizar o crescimento dos talentos na empresa, entre outras ações.

Mas não basta identificar um profissional excelente. É preciso investir no aperfeiçoamento constante de suas habilidades, seja com cursos, treinamentos ou orientações. Os feedbacks são instrumentos importantes porque permitem apontar aspectos positivos a serem mantidos, bem como atitudes negativas que exigem intervenções.

O contrário também é importante, ou seja, aceitar críticas e sugestões dos liderados para saber se a gestão tem sido eficiente. Reconhecer os próprios erros ainda mostra que você, como líder, está sempre em busca de melhorias.

Facilidade para lidar com conflitos

Atritos e discussões improdutivas podem surgir em qualquer organização, mas jamais devem ser tratados como problemas comuns, porque tendem a desgastar as relações ao longo do tempo, causando intrigas, estresse e excesso de competitividade.

Nesses momentos, a intervenção de uma pessoa na qual todos confiam faz toda a diferença. A liderança pode usar, por exemplo, suas habilidades de comunicação e empatia para se aproximar dos grupos envolvidos na intriga.

Mediar conflitos sem tomar partido é um desafio a ser superado pelo gestor. Uma boa dica é pedir que diferentes pontos de vista sejam expostos para entender a causa e, então, agir com cautela para retomar o bom clima organizacional.

Chefe ou líder: você sabe a diferença entre os perfis e qual é o mais interessante?

É comum a confusão entre os termos, sem contar que muitas pessoas acreditam que correspondem ao mesmo perfil profissional — mas elas estão enganadas! Para começar, saiba que um líder tem condições de ser chefe, mas um chefe não pode ser considerado líder.

A seguir, saiba mais sobre ambos os perfis e entenda o motivo para essa afirmação:

Características de um chefe

Um chefe tem tendência a comandar pessoas por meio de ordens e comportamentos autoritários. É aquele indivíduo que costuma causar medo aos funcionários da empresa, sendo, em alguns casos, conhecido como “mandão”.

Também é comum que esse perfil queira centralizar o poder, evitando a opinião de outros profissionais. Seu foco geralmente está nos lucros e resultados, com pouca preocupação em relação ao bem-estar das equipes e à qualidade do clima organizacional.

Por não se sentirem à vontade na presença do chefe, muitos trabalhadores sequer respeitam sua figura. As relações entre as partes se tornam artificiais, pouco produtivas e, por vezes, incômodas. A falta de oportunidades para pedir conselhos, relatar problemas e propor soluções também desmotiva as equipes.

Quem se considera chefe dificilmente incentiva outras pessoas. Inclusive, acredita que executar um bom trabalho é dever dos funcionários. Se isso não ocorre, as falhas logo são apontadas e usadas como ferramenta para intimidar os outros.

Outras características desse perfil incluem:

  • falta de empatia;
  • pouca disponibilidade para ouvir;
  • desinteresse em relação aos conflitos internos;
  • tendência a reter informações importantes;
  • incapacidade de reconhecer bons trabalhos;
  • gosto por cobranças e pressões.

Características de um líder

Esse é o perfil do qual você deve se aproximar durante a carreira de gestor, visto que tem mais pontos positivos em relação a um chefe. Já falamos bastante sobre ele, mas não custa frisar suas qualidades e seu potencial para fazer a empresa crescer.

A liderança se destaca por mostrar uma direção à equipe e por acompanhá-la durante todo o caminho. Em seu trabalho, as relações se transformam em verdadeiras parcerias, visto que os envolvidos conseguem enxergar o poder de uma atuação conjunta e harmônica.

Outras características de um líder incluem:

  • empatia;
  • foco no desenvolvimento;
  • atuação admirável e inspiradora;
  • interesse nas conquistas da equipe;
  • lealdade ao time (o contrário também ocorre);
  • capacidade de admitir os próprios erros.

Qual é o papel da liderança no mercado de trabalho?

Toda empresa quer gerar resultados positivos e garantir vantagem competitiva para sobreviver no mercado. Parte dessas conquistas só é possível com o trabalho de um líder que possa suprir as demandas solicitadas, reter os melhores talentos e manter um desenvolvimento saudável.

É a partir do excelente desempenho de pessoas que muitos gestores conseguem fomentar a rentabilidade do negócio, fazendo com que a organização tenha destaque entre a concorrência e possa comemorar novas conquistas.

Lojas, varejos, indústrias e diversos estabelecimentos (comerciais ou de serviço) precisam de um líder para coordenar processos de venda, estoque, marketing e atendimento ao cliente. Ter uma pessoa capacitada para lidar com diferentes etapas é crucial para crescer de acordo com expectativas positivas.

Até um tempo, o conhecimento técnico dos candidatos era uma das principais exigências do mercado de trabalho. Hoje, as empresas procuram profissionais mais completos, capazes de motivar pessoas e de transformar o ambiente de trabalho em um lugar agradável.

Para quem procura uma oportunidade de provar que tem potencial para assumir todas essas responsabilidades, está mais que na hora de se atualizar sobre os fundamentos de liderança e desenvolver habilidades gerenciais.

Além das competências citadas nos tópicos anteriores, um candidato a líder deve ter características desejadas por empresas da atualidade. Entre elas, podemos citar:

  • criatividade — antigamente era considerado um dom limitado a pessoas que conseguiam produzir revoluções em suas áreas. Hoje, o conceito é mais amplo e representa aqueles profissionais capazes de aproveitar ao máximo os recursos disponíveis, a fim de cumprir as atividades com eficiência;
  • resiliência — no ambiente corporativo, essa característica consiste na capacidade de transpor dificuldades sem se abater. Para um líder, isso significa estar disposto a fazer adaptações e a atuar em diversos setores simultaneamente;
  • atualização — tanto recém-formados quanto profissionais com vários anos de experiência precisam dessa característica. Afinal, o mundo muda rapidamente, trazendo novidades que impactam na rotina de trabalho. Assim, é necessário buscar novos conhecimentos a todo momento;
  • intraempreendedorismo — pouco conhecida, essa habilidade tem o poder de transformar a carreira de um líder. As pessoas que a dominam conseguem desenvolver ideias e aproveitar oportunidades com base na própria rotina. O resultado pode vir na forma de novos produtos e processos estratégicos para a organização.

Por que aprender sobre fundamentos de liderança?

Buscar formas de atingir o desenvolvimento profissional é positivo para qualquer gestor. Essa atitude permite obter vantagem competitiva e alcançar cargos relevantes. Por isso, a melhor maneira de ter sucesso em sua trajetória é se capacitar por meio de especializações, treinamentos e pesquisas específicas.

Uma pós-graduação também é bem-vinda, já que muitos cursos têm duração média de 2 anos e podem ser realizados aos finais de semana — o que elimina a justificativa da falta de tempo para se aperfeiçoar e se tornar um exemplo de liderança.

O ideal é investir em MBAs (Master of Business Administration) com foco nas competências que você deseja adquirir. A vantagem é que eles são direcionados a pessoas já inseridas no mercado de trabalho e que pretendem apenas atualizar conhecimentos ou compreender mais a fundo a rotina corporativa.

Com uma boa escolha, você aprenderá conceitos importantes e terá acesso a atividades práticas de corporativismo. Essa base é essencial para o preparo de novos líderes e para a ocupação de posições estratégicas. Entre as opções mais procuradas estão:

  • MBA em Gestão Empresarial;
  • MBA em Gestão: Pessoas e Liderança;
  • MBA em Gestão: Finanças, Controladoria e Auditoria;
  • MBA em Marketing: Ênfase em Vendas;
  • Pós-graduação em Administração de Empresas.

Cabe destacar que alguns MBAs oferecem um módulo internacional em universidades conveniadas. Assim, o profissional que optar pela realização de cursos que se encaixam nessa categoria receberá, ao fim do processo, um certificado em MBA Executivo Internacional.

Em todo caso, é fundamental procurar instituições de ensino reconhecidas e com tradição em educação executiva. Antes de tomar uma decisão, pesquise sobre cada local, verifique se as instalações apresentam infraestrutura adequada (completa) e se o corpo docente é qualificado.

Buscando o melhor em tudo o que faz, você estará cumprindo um passo fundamental para assumir e permanecer no cargo de liderança. Portanto, sempre consulte novos materiais, notícias, tendências e informações relevantes.

Como pôde perceber, aprender sobre fundamentos de liderança impacta, sim, na rotina dos negócios, porque são pontos-chave para a construção de um perfil de gestor exemplar e para o desenvolvimento de empresas inovadoras.

Quer mais informações para se qualificar e dar um upgrade na carreira? Baixe agora o nosso e-book sobre o assunto! O material apresenta os fatores que podem derrubá-lo em diferentes situações profissionais, bem como orientações para virar o jogo!

Escreva um comentário

Share This